Covid 19 x Alterações bucais

Covid 19 x Alterações bucais

O que sabemos até o momento em relação às doenças periodontias como fator contribuinte para agravamento do novo Coronavírus.

Em tempos de pandemia envolvendo um vírus completamente desconhecido em que não se sabe o exato mecanismo de infecção, nem tampouco temos vacina e tratamentos, estabelecer verdades baseadas em modelos matemáticos é um erro catastrófico. É certo que a ciência tem tentado estabelecer algumas relações, mas muitas delas nem houve tempo para se tornarem consolidadas na literatura. A relação entre doenças bucais e COVID-19 é umas delas.

A literatura cientifica já consumou há tempos que existe uma forte relação entre a presença de doença periodontal e a ocorrência e/ou piora de doenças respiratórias. A microaspiração do conteúdo da orofaringe é uma das causas frequentes de alterações respiratórias como as pneumonias. Neste contexto, as doenças periodontias entram como fator contribuinte para agravamento da COVID-19, já que umas das complicações da doença é a infecção pulmonar, inclusive em pacientes sob cuidados de UTI. Além disso, é importante considerar os fatores de risco como a própria doença inicial do paciente, idade, doenças pulmonares e cardíacas pré-existentes, necessidade de ventilação mecânica, manipulação do paciente pela equipe dentre outros.

Alguns desses fatores também impactam na ocorrência de doenças periodontais. Há bactérias específicas envolvidas nessas infecções pulmonares e não são comuns à microbiota normal da boca, mas se proliferam quando esta se altera em decorrência do acúmulo de placa nos dentes e do desenvolvimento da doença periodontal. Então, doença periodontal piora a COVID-19? Apesar de algumas tentativas de mostrarem essa tendência, ainda não existe uma correlação bem estabelecida na literatura.

Sendo assim, enquanto não houver vacina e tratamento para a COVID-19, temos que agir na prevenção mesmo que de forma empírica. Nesse caso, a prevenção que seria realizar uma limpeza bucal não resultaria em nenhum prejuízo para o indivíduo, muito pelo contrário. Lembrando que apenas essa ação por si só não previne COVID-19 nem tampouco as complicações, existem outros fatores atuantes. Por isso, é importante que procure seu dentista para uma revisão da cavidade oral, principalmente se você já possui algum fator de risco para agravamento da COVID-19. Se podemos realizar algo controlável, já é importante porque sobre vários fatores sabemos que não temos nenhuma ação.